Compartilhe
Ver o tópico anteriorIr em baixoVer o tópico seguinte
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 11446
Data de inscrição : 18/11/2012
Idade : 30
Localização : Estarreja
Ver perfil do usuário

Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Ter Dez 23, 2014 11:29 pm

«Acredita em mim, acredita em ti, acredita em nós mas, acima de tudo, acredita comigo» 
                                                                                                                 Marina Ferraz





BIOGRAFIA
Marina Ferraz nasceu em Coimbra (Portugal) no ano 1989.
É licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho e realizou o mestrado na mesma área na Universidade de Coimbra, onde actualmente se encontra ainda, enquanto doutoranda.
Autora na Blogger desde 2006, quando criou o blogue "Ibelieve, do you?", registou-se na Sociedade Portuguesa deAutores (SPA) em Março de 2008 e publicou seu primeiro livro (de poesia), intitulado Fragmentos de Mim, em Junho do mesmo ano.
Desde a publicação do primeiro livro, tem desenvolvido diversos trabalhos em projectos das mais variadas áreas artísticas e trabalhado como letrista, destacando-se o seu trabalho em parceria com o músico e compositor Helder Godinho, para o qual, desde 2010, assina diversas letras originais.
Integra, em 2013, o grupo de investigação Figuras da Ficção, projecto do Centro de Literatura Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coordenado pelo Professor Doutor Carlos Reis.
Da parceria com o compositor Helder Godinho parceria nasce, em 2014, "Mais para dar", tema concorrente ao Festival RTP da Canção, interpretado pela cantora Carla Ribeiro.
Em 2014 publica, ainda, pequenos textos, contos e poemas, em colectâneas de várias editoras. Entre estas, tem dois textos seleccionados pela Lua de Marfim Editora, para integrarem as colectâneas "Cartas" e "Confissões"; um conto na colectânea "Mentiras" da Pastelaria Studios Editora (ainda sem data de lançamento); e um poema e um texto poético na colectânea "ENIGMA(S) – Vol. I.Grande antologia de poesia e texto poético da Lusofonia"da Sinapsis Editores.
|| CARTA AO PAI NATAL ||

Marina Ferraz escreveu: 
Eu queria escrever-te uma carta. Aposto que recebes muitas e que a minha será apenas mais uma sobre um monte infinito de outras, quase todas mais importantes e com pedidos mais urgentes. Mas peço-te que leias a minha primeiro. Preciso que a leias e que a faças seguir por aí. Porque só tenho um pedido. Apenas um.
Não me falta nada. Nunca faltou. Em criança, tive todas as prendas de que precisava e o meu quarto encheu-se de brinquedos. Com muitos deles, nem cheguei a brincar. Fui uma criança doente mas amada. Nunca me faltou quem me levasse ao médico, nunca me faltaram medicamentos, nunca me faltou, sequer, o amor e carinho de mil entes queridos. Fui muito afagada, muito cuidada, muito amada.
Sobre a mesa, fosse Natal ou não, houve sempre comida em abundância. Nunca passei fome, nunca passei frio, nunca me senti desamparada. E, mesmo assim, todos os anos te escrevi, pedindo coisas que não precisava, na esperança de encontrar no sapatinho, sob a árvore de Natal, um sem fim de extravagâncias tolas. Mas a minha família amava-me. Amava-me tanto que me oferecia, não apenas o necessário mas também esse supérfluo que me enchia o sapatinho de embrulhos perfeitos e coloridos. E, por isso, das coisas que te pedia nessas cartas, cheguei a ter quase todas.
Foi com o tempo que comecei a escrever mais e a escrever-te menos. Deixei de acreditar em ti bastante cedo, embora me tenham feito fingir que te acreditava até tarde. E eu fingia, por eles, porque era importante para eles que eu julgasse que, voando sobre os telhados, espalhavas prendas e alegria pelo mundo. Mas deixei de acreditar em ti cedo, quando os supermercados começaram a vender, não apenas as prendas mas também uma imagem de ti que não me fazia sentido, enquanto os telejornais espalhavam imagens de guerra, de miséria, de fome pelo mundo.
Não fui uma criança informada. Como quase todas, ignorava muito do que via. Mas, de alguma forma, olhava para o mundo com olhos críticos. E esse olhar fez com que de criança a jovem e de jovem a mulher, soubesse sempre que andava de mãos dadas com a sorte.
Nunca me faltou nada. Não me falta nada. Tenho família, amigos, um amor forte e persistente que me faz lutar pelo melhor de mim. E tenho estudos, tenho cultura, tenho mais livros nas prateleiras do que algumas bibliotecas. Tenho um sonho, tenho pessoas a apoiarem-me nesse sonho.
Nunca me faltou nada e continua a não me faltar coisa alguma. Mas pedi-te que lesses esta carta primeiro. Pedi-te que o fizesses porque preciso que compreendas que, quem te escreve, como eu te escrevia, muitas vezes tem uma vida de ouro nas mãos e a ilusão da necessidade. E, se calhar, não é importante que distribuas por aí brinquedos caros e instrumentos tecnológicos de última geração.
Este ano, mais de quinze anos depois de ter deixado de te incomodar com pedidos, envio-te esta carta. E preciso que a leias e que a faças seguir por aí com o único pedido que posso conceber fazer-te. E esse pedido é simples: oferece amor a quem está infeliz, conforto a quem não tem lar, comida a quem passa fome e agasalhos a quem passa frio. Oferece um abraço a quem está só e uma palavra a quem está triste. Oferece um futuro a quem está preso ao passado, uma oportunidade a quem está desesperado, um sonho a quem vive sem esperança. E, se está nas tuas mãos a possibilidade de ofertar tudo isto, peço-te que o faças o ano inteiro e não apenas no Natal.
Eu fui uma criança com sorte. Nunca me faltou nada. Mas, no mundo, há gente a quem falta quase tudo. Por isso, este ano, o meu pedido é para ti, sim, mas não só. Peço-te que leves esta carta a quem, como eu, teve tudo. Peço que a espalhes por aí e que faças com que ela seja lida e relida por aqueles que têm o poder para fazer a diferença. E peço-te que, este ano, quando conduzires o teu trenó sobre o mundo, espalhes um pouco de consciência e solidariedade sobre este meio de consumo onde se enfatiza cada vez mais o egoísmo e a cegueira.
Talvez esta seja a última carta que escrevo. Espero que não te importes. Não é por mal. É apenas porque não há mais nada a pedir e não quero que a minha carta, repetitiva e insistente, te desvie a atenção das milhares restantes, onde mais pessoas cheias de sorte te hão-de pedir coisas das quais não precisam, apenas porque é Natal...
 
Com os melhores cumprimentos,




Última edição por climatico em Qui Dez 25, 2014 8:04 pm, editado 2 vez(es)

_________________
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 2481
Data de inscrição : 24/07/2014
Idade : 19
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Ter Dez 23, 2014 11:49 pm
Shocked
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 11446
Data de inscrição : 18/11/2012
Idade : 30
Localização : Estarreja
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qua Dez 24, 2014 1:47 am
pamsf998 escreveu:Shocked


O que foi?

_________________
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 14699
Data de inscrição : 04/06/2014
Idade : 18
Localização : Anderlecht
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qua Dez 24, 2014 12:13 pm
Boa pergunta.
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 6787
Data de inscrição : 14/11/2012
Idade : 25
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qua Dez 24, 2014 1:06 pm
Shocked

_________________
"Podes não mudar o mundo, mas podes morrer a tentar."
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 11446
Data de inscrição : 18/11/2012
Idade : 30
Localização : Estarreja
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qua Dez 24, 2014 7:03 pm
Olá malta... Infelizmente (para vocêes) o meu jantar de consoada não vai ser como previa. Não vou estar (até mais logo) com o computador.

Vocês estarão por cá por volta da meia-noite ou uma da manhã?

Posso-vos adiantar, como não há sinopse, que vos vou apresentar um pequeno texto que a escritora nos escreveu. Não é em primeira mão, mas.porque agora ela não tem muito tempo.

Quero também garantir-vos que não é só essa a surpresa que cá temos esta noite. Pretendo usar as votações que estão a decorrer para algo. Se estiverem por cá ficarão a saber mais!!!!

Boas rabanadas e filhóses. Muito bolo rei e aletria. Peru e bacalhau na falta de polvo!!!!

Do fundo do coração: Feliz Natal minha família do Zapping!!!

_________________
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 6787
Data de inscrição : 14/11/2012
Idade : 25
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qua Dez 24, 2014 7:16 pm
Eu estarei! Smile

_________________
"Podes não mudar o mundo, mas podes morrer a tentar."
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 14699
Data de inscrição : 04/06/2014
Idade : 18
Localização : Anderlecht
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qua Dez 24, 2014 8:20 pm
O meu computador novo agora lembrou-se de pifar Sad
Vou ver se consigo.
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 11446
Data de inscrição : 18/11/2012
Idade : 30
Localização : Estarreja
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 12:02 am
Olá Rabanadas de Vinho do Porto!


| Não querem contar ou pouquinho das prendas que já receberam/ que estão a receber?|


|Partilhem como está a ser esta data connosco.|


Eu vou partilhar convosco o meu (mesmo que não interesse a ninguém)


Hoje acordei às 8:30 da manhã para partir por essa estrada e fazer 365 Km, até ao Alto Douro Transmontano. Chegado cá, já era hora de almoçar. Hoje, dia 24, aqui não se come carne. Havia 2 pratos (bacalhau e polvo), 19 pessoas a almoçar, todos apertadinhos. Os meus avós conseguiram juntar os 5 filhos e respectivas famílias. O que não contavam era com uma briga entre um dos filhos e um dos genros (senti-me na Casa dos Segredos, discutir para nada, com a agravante de ser dia de Natal e frente a dois idosos que querem paz e alegria pois não sabem como será o dia de amanhã). Após esta tensão passar, cada um foi passear um bocadinho. Bem, eu acabei por andar a limpar algumas coisas na casa dos meus avós, sinto-me bem a fazer isso para eles. Mas também deu para fazer uma visita à Cidade. Ora vejam...
18:30, com 2º graus positivos, dá-se início a uma tradição daqui. Acende-se a Fogueira do Galo. Esta fogueira fica a arder até depois do Ano Novo e significa, digamos a passagem do ano velho para o ano novo.

Voltando a casa foi só preparar para ir jantar a casa de uma Tia minha, que junta a famílai dela e do marido para, juntos, celebrarem, no dia 24 de Dezembro, o aniversário do filho. Conclusão não é bem a consoada que se comemora mas um jantar com gente com quem não se está à vontade. E sabem o que foi o jantar? Igual ao almoço. -.-


Agora, às 23:30, cheguei a casa onde dormimos (amanhã voltamos a fazer 365 Km - de onde saímos hoje), estou aqui a escrever. Não haverá prendas para mim! Não tem mal nenhum. E acabo por passar um serão aqui com a minha família Zapping!




É isto, a conclusão! escreveu:Bem, posso dizer que o Natal é como o Secret Story, colocamo-nos todos jeitosos para ficar na sala!

ATÉ JÁ

_________________
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 14699
Data de inscrição : 04/06/2014
Idade : 18
Localização : Anderlecht
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 12:20 am
bounce
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 11446
Data de inscrição : 18/11/2012
Idade : 30
Localização : Estarreja
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 12:57 am
«Acredita em mim, acredita em ti, acredita em nós mas, acima de tudo, acredita comigo» 
                                                                                                                 Marina Ferraz





BIOGRAFIA
Marina Ferraz nasceu em Coimbra (Portugal) no ano 1989.
É licenciada em Ciências da Comunicação pela Universidade do Minho e realizou o mestrado na mesma área na Universidade de Coimbra, onde actualmente se encontra ainda, enquanto doutoranda.
Autora na Blogger desde 2006, quando criou o blogue "Ibelieve, do you?", registou-se na Sociedade Portuguesa deAutores (SPA) em Março de 2008 e publicou seu primeiro livro (de poesia), intitulado Fragmentos de Mim, em Junho do mesmo ano.
Desde a publicação do primeiro livro, tem desenvolvido diversos trabalhos em projectos das mais variadas áreas artísticas e trabalhado como letrista, destacando-se o seu trabalho em parceria com o músico e compositor Helder Godinho, para o qual, desde 2010, assina diversas letras originais.
Integra, em 2013, o grupo de investigação Figuras da Ficção, projecto do Centro de Literatura Portuguesa da Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra, Coordenado pelo Professor Doutor Carlos Reis.
Da parceria com o compositor Helder Godinho parceria nasce, em 2014, "Mais para dar", tema concorrente ao Festival RTP da Canção, interpretado pela cantora Carla Ribeiro.
Em 2014 publica, ainda, pequenos textos, contos e poemas, em colectâneas de várias editoras. Entre estas, tem dois textos seleccionados pela Lua de Marfim Editora, para integrarem as colectâneas "Cartas" e "Confissões"; um conto na colectânea "Mentiras" da Pastelaria Studios Editora (ainda sem data de lançamento); e um poema e um texto poético na colectânea "ENIGMA(S) – Vol. I.Grande antologia de poesia e texto poético da Lusofonia"da Sinapsis Editores.
|| CARTA AO PAI NATAL ||

Marina Ferraz escreveu: 
Eu queria escrever-te uma carta. Aposto que recebes muitas e que a minha será apenas mais uma sobre um monte infinito de outras, quase todas mais importantes e com pedidos mais urgentes. Mas peço-te que leias a minha primeiro. Preciso que a leias e que a faças seguir por aí. Porque só tenho um pedido. Apenas um.
Não me falta nada. Nunca faltou. Em criança, tive todas as prendas de que precisava e o meu quarto encheu-se de brinquedos. Com muitos deles, nem cheguei a brincar. Fui uma criança doente mas amada. Nunca me faltou quem me levasse ao médico, nunca me faltaram medicamentos, nunca me faltou, sequer, o amor e carinho de mil entes queridos. Fui muito afagada, muito cuidada, muito amada.
Sobre a mesa, fosse Natal ou não, houve sempre comida em abundância. Nunca passei fome, nunca passei frio, nunca me senti desamparada. E, mesmo assim, todos os anos te escrevi, pedindo coisas que não precisava, na esperança de encontrar no sapatinho, sob a árvore de Natal, um sem fim de extravagâncias tolas. Mas a minha família amava-me. Amava-me tanto que me oferecia, não apenas o necessário mas também esse supérfluo que me enchia o sapatinho de embrulhos perfeitos e coloridos. E, por isso, das coisas que te pedia nessas cartas, cheguei a ter quase todas.
Foi com o tempo que comecei a escrever mais e a escrever-te menos. Deixei de acreditar em ti bastante cedo, embora me tenham feito fingir que te acreditava até tarde. E eu fingia, por eles, porque era importante para eles que eu julgasse que, voando sobre os telhados, espalhavas prendas e alegria pelo mundo. Mas deixei de acreditar em ti cedo, quando os supermercados começaram a vender, não apenas as prendas mas também uma imagem de ti que não me fazia sentido, enquanto os telejornais espalhavam imagens de guerra, de miséria, de fome pelo mundo.
Não fui uma criança informada. Como quase todas, ignorava muito do que via. Mas, de alguma forma, olhava para o mundo com olhos críticos. E esse olhar fez com que de criança a jovem e de jovem a mulher, soubesse sempre que andava de mãos dadas com a sorte.
Nunca me faltou nada. Não me falta nada. Tenho família, amigos, um amor forte e persistente que me faz lutar pelo melhor de mim. E tenho estudos, tenho cultura, tenho mais livros nas prateleiras do que algumas bibliotecas. Tenho um sonho, tenho pessoas a apoiarem-me nesse sonho.
Nunca me faltou nada e continua a não me faltar coisa alguma. Mas pedi-te que lesses esta carta primeiro. Pedi-te que o fizesses porque preciso que compreendas que, quem te escreve, como eu te escrevia, muitas vezes tem uma vida de ouro nas mãos e a ilusão da necessidade. E, se calhar, não é importante que distribuas por aí brinquedos caros e instrumentos tecnológicos de última geração.
Este ano, mais de quinze anos depois de ter deixado de te incomodar com pedidos, envio-te esta carta. E preciso que a leias e que a faças seguir por aí com o único pedido que posso conceber fazer-te. E esse pedido é simples: oferece amor a quem está infeliz, conforto a quem não tem lar, comida a quem passa fome e agasalhos a quem passa frio. Oferece um abraço a quem está só e uma palavra a quem está triste. Oferece um futuro a quem está preso ao passado, uma oportunidade a quem está desesperado, um sonho a quem vive sem esperança. E, se está nas tuas mãos a possibilidade de ofertar tudo isto, peço-te que o faças o ano inteiro e não apenas no Natal.
Eu fui uma criança com sorte. Nunca me faltou nada. Mas, no mundo, há gente a quem falta quase tudo. Por isso, este ano, o meu pedido é para ti, sim, mas não só. Peço-te que leves esta carta a quem, como eu, teve tudo. Peço que a espalhes por aí e que faças com que ela seja lida e relida por aqueles que têm o poder para fazer a diferença. E peço-te que, este ano, quando conduzires o teu trenó sobre o mundo, espalhes um pouco de consciência e solidariedade sobre este meio de consumo onde se enfatiza cada vez mais o egoísmo e a cegueira.
Talvez esta seja a última carta que escrevo. Espero que não te importes. Não é por mal. É apenas porque não há mais nada a pedir e não quero que a minha carta, repetitiva e insistente, te desvie a atenção das milhares restantes, onde mais pessoas cheias de sorte te hão-de pedir coisas das quais não precisam, apenas porque é Natal...
 
Com os melhores cumprimentos,



_________________
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 14699
Data de inscrição : 04/06/2014
Idade : 18
Localização : Anderlecht
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 1:31 am
Gostei, climatico. Parabéns Smile
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 6787
Data de inscrição : 14/11/2012
Idade : 25
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 3:25 am
Que gira a tradição. Gostei climatico. Smile

Já que nos desafiaste a contar um pouco da nossa consoada, vou aproveitar para talvez desabafar um bocadinho e contar como é a vivido este dia na minha família e em geral na Madeira.

Antigamente o Natal era vivido com muita alegria na minha família. Na véspera de Natal juntávamo-nos todos na casa da minha avó a partir das 19h, convivíamos, brincávamos... não faltava o bolo de mel, as broas de mel, o bolo rei e até a carne de vinha d'alhos à mesa. E o dia 24 era também dia da minha família que vive em Loures chegar, muitas vezes de surpresa, à casa da minha avó. Até à meia-noite todos aguardávamos ansiosos pelas prendas que enchiam toda a cama da minha avó. A casa era pequena e ainda mais pequena se tornava para tanta gente e para tanta alegria. No dia 25, almoçávamos todos na casa de uma das minhas tias e no dia 26, 1.ª Oitava, juntávamo-nos todos novamente na casa da minha avó e ainda com mais família reunida.

Desde há uns anos para cá que alguns episódios mataram o espírito natalício em nós. A minha família em geral teve um período conturbado, com problemas financeiros, de saúde, conjugais e tantos outros. Não foi uma fase fácil, deixou marcas em nós e muita da família afastou-se. Por outro lado, na minha família mais chegada, os meus pais separaram-se há cerca de três anos e eu e o meu pai começamos a ter uma relação bastante conturbada quando me assumi homossexual... e estas duas situações acabaram por fazer com que ficássemos de costas voltadas. E quanto a mim também tive problemas de saúde há três anos que me fizeram sentir ainda menos o Natal. Obviamente o Natal teve as suas mudanças perante estes acontecimentos.

Atualmente o Natal não tem a magia de antes. Para mim é sempre uma fase melancólica. Por um lado sinto falta do que antes era... havia tanta alegria na minha família, eramos imensos... e a cada Natal que passa parecemos cada vez menos. E dado os preços exorbitantes das passagens aéreas é impossível que a nossa família de Loures nos visite nesta época. É um pouco triste, não nego. Já nem troca de prendas há, nem uma. Este ano eu e a minha mãe nem fizemos Árvore de Natal e Presépio... só para verem o espírito natalício cá em casa. Laughing Enfim, o melhor mesmo é rir-me.

Quanto ao Natal cá na Madeira, é vivido muito intensa e genuinamente. Todas as paróquias organizam a Missa do Parto que é realizada às 6 da manhã, todos os dias, até o dia 24. Esta missa pretende celebrar o parto de Virgem Maria. Depois da missa, ao amanhecer, as pessoas juntam-se no adro das igrejas num intenso convívio onde cada um leva um bolo, um vinho seco, poncha... e partilham tudo aquilo que tiverem, por entre músicas de Natal e muito convívio.

Uma outra coisa que é tradição é a Matança do Porco. Muitas associações são contra esta tradição e comparam-na às touradas. Durante todo o ano várias famílias criam e engordam os porcos até ao Natal para matarem-nos perante alguma 'plateia', onde depois são leiloadas as partes do porco a quem quiser. Antigamente esta era uma tradição apenas no meio familiar... ou seja, as famílias matavam o porco para o Natal e ponto. Contudo a tradição evoluiu para algo mais público do que privado. Não sei bem se estas informações estão certas, porque acho que neste âmbito existem duas tradições distintas que é a matança do porco e a função do porco... não sei se é a mesma coisa, se são distintas... mas dá para vocês terem uma ideia.

Mas para mim o Natal começa no dia 23... neste dia todos os caminhos vão dar ao Mercado dos Lavradores, no Funchal, onde as pessoas fazem as últimas compras de Natal: frutas, pinheiros de Natal (naturais), cearas para pôr nos presépios e lapinhas, alegra-campo, flores... entre outras coisas para a ceia de Natal ou para decorar a casa, o presépio ou a árvore. Isto costuma durar todo o dia 23 mas intensifica-se à noite, com conjuntos musicais e populares a cantar músicas de Natal dentro do Mercado dos Lavradores e nas ruas adjacentes, com barracas de comes e bebes, a poncha, o típico bolo do caco e a típica carne de vinha d'alhos servida em sandes. Depois do Mercado fechar, por volta da 1/2h da manhã, a festa continua noite a dentro nas ruas adjacentes. Eu costumo ir todos os anos porque é uma Festa muito genuína... e tu podes não ter com quem ir que de certeza encontrarás meia Madeira... alguém conhecerás e de certeza te juntarás a esse grupo. Não sei explicar o que se sente numa noite como esta, sinceramente. Costuma-se dizer que é a noite mais longa do ano porque dura até o amanhecer... e esta tradição é conhecida como a Noite do Mercado.

Depois acho que é o normal, como acontece no Continente. A família junta-se na noite de Natal e no dia 25. E algumas famílias vão à Missa do Galo. À mesa há a carne de vinha d'alhos, bolo de mel e as broas... penso que seja o mais típico e que difere do que é feito no Continente. O que finaliza esta época de Natal é o Cantar dos Reis no dia 6 de janeiro, onde várias pessoas se juntam e vão de casa em casa "cantar os Reis" e conviver noite a dentro até ao amanhecer. Nunca participei nesta tradição mas vou tentar fazê-lo este ano. No Funchal não é uma tradição muito viva, apenas em zonas rurais. E, como devem saber, esta é uma época altamente turística cá na Madeira, não só devido ao fim-de-ano mas também a tudo isto que referi... todo o anfiteatro e a própria baixa do Funchal é iluminada com luzes e decorada a preceito.

E pronto. É tudo. Desculpem o desabafo e o testamento. Apesar de me considerar agnóstico, vivo as tradições católicas por aquilo que sempre simbolizaram na minha família, que é a família toda junta... e não por aquilo que simbolizam na religião propriamente dita. E numa sociedade altamente católica, é difícil fugir a estas tradições Razz E eu sei que sou super chato quando falo da Madeira mas eu adoro a minha terra, gosto muito mesmo... qualquer madeirense de gema tem muito orgulho na sua terra. Só é pena ser um meio muito insular, isolado e atrasado de mentalidades, o que não me faz querer viver aqui toda a minha vida. Mas tenho muito orgulho nas minhas origens. Com isto me despeço e resto de um bom Natal a todos. Smile

_________________
"Podes não mudar o mundo, mas podes morrer a tentar."
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 14699
Data de inscrição : 04/06/2014
Idade : 18
Localização : Anderlecht
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 12:22 pm
Shocked Depois eu leio Laughing
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 6787
Data de inscrição : 14/11/2012
Idade : 25
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 12:52 pm
Depressão das 3 da manhã... dá nestas coisas. Sad Laughing

_________________
"Podes não mudar o mundo, mas podes morrer a tentar."
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 14699
Data de inscrição : 04/06/2014
Idade : 18
Localização : Anderlecht
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 1:05 pm
Imagino Sad Cool
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 11446
Data de inscrição : 18/11/2012
Idade : 30
Localização : Estarreja
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 2:40 pm
Família mais logo, já com net boa e em casa, apresento o resto do que tenho preparado. A minha madrugada também me levou a escrever aquilo Nossa!!!!



_________________
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 14699
Data de inscrição : 04/06/2014
Idade : 18
Localização : Anderlecht
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 2:51 pm
Eu ontem bebi um pouco demais por isso é que não comentei assim muito o teu trabalho, clima. Laughing Depois amanhã comento com mais calma.
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 4054
Data de inscrição : 20/09/2014
Idade : 26
Localização : Porto
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 2:54 pm
Parabéns pelos textos! Interessante!
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 11446
Data de inscrição : 18/11/2012
Idade : 30
Localização : Estarreja
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 7:53 pm
Muito bem! Já estou de volta à casa e já vos posso revelar o resto do processo que tenho (e tinha) para este Natal!

_________________
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 11446
Data de inscrição : 18/11/2012
Idade : 30
Localização : Estarreja
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 8:34 pm
Queridos e Queridas filhoses estragadas!



Agradeço-vos todas as manifestações de natal que deixaram para mim e para os outros.


Agora quero-vos informar que venho aqui para vos dizer, participantes nos Contos de Natal, que o vosso Natal vai chegar um bocadinho atrasado.
Quando comecei este projeto só queria dar alguma vida a parte de ficção do TV Talentos, desaparecida há muito tempo. Com a evolução do projeto percebi que podia oferecer uma pequena recompensa a quem aceitou o meu convite. ( e não foi fácil, recebi alguns nãos)

*Magy enquanto cozinha as suas filhoses*












*Forista T sente o Natal e adora a ideia*



*FMSS adora a ideia e brinca com titafcp*



*Joni Milk chega e vê a sua concorrência*



*Chega Samuel, no seu melhor estilo!


Pelos vistos já cá estão todos!



*Afinal não! O Nuno só chegou agora!*



Continuando, entre todas as histórias que aqui temos vamos escolher 1, sim apenas um. Como?


Por isso é que já vos pedir para ir votando nos respectivos tópicos, para ir ter uma ideia daquilo que vale cada conto. 


Um dos foristas que aceitou este desafio vai receber, de mim, moi mesmo, um exemplar do livro de Marina Ferraz: "Fragmentos de Mim".


Pronto amigos, não é muito, mas é apenas algo que posso partilhar e, para quem gostar, pronto, uma prenda aqui do Climatico!


Última edição por climatico em Qui Dez 25, 2014 10:07 pm, editado 1 vez(es)

_________________
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 14699
Data de inscrição : 04/06/2014
Idade : 18
Localização : Anderlecht
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 8:37 pm
Uma boa recompensa Smile
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 16028
Data de inscrição : 13/11/2012
Idade : 24
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 10:04 pm
Muito bom, climatico.

Ainda tenho de ler o do João e o da Marina. :/
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 6787
Data de inscrição : 14/11/2012
Idade : 25
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Qui Dez 25, 2014 10:48 pm
Que bom climatico. Smile

_________________
"Podes não mudar o mundo, mas podes morrer a tentar."
avatar
Nível 2
Sexo : Masculino
Mensagens : 11446
Data de inscrição : 18/11/2012
Idade : 30
Localização : Estarreja
Ver perfil do usuário

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

em Sex Dez 26, 2014 12:42 am
Obrigado. 

Eu sei que é pouca coisa, mas acho que os participantes merecem uma prendinha. Se pudesse dava a todos!

_________________
Conteúdo patrocinado

Re: Marina Ferraz - Carta ao Pai Natal

Ver o tópico anteriorVoltar ao TopoVer o tópico seguinte
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum